quarta-feira, 29 de junho de 2011

Tudo vale a pena quando a alma não é pequena

De volta à Belas Artes por um motivo muito especial, encontrei um presentinho do acaso que me fez brilhar os olhos...

Um dia quero ter um desse: desse jeito!!!




Em Belo Horizonte, no estacionamento da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais.

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Sexta Sentida

Ontem, no Festival de Cenas Curtas, tive um choque!

Um choque comigo mesma. Meus preconceitos, minha avaliação, minhas concepções.

Eu que um dia disse aqui que prezo por ser Sem Radicalismo, me vi totalmente radical. Até que a cena "Sobre-Viventes" me tirou deste lugar.

As imagens de divulgação da peça me levaram a considerar que aquela seria mais uma peça cheia de p*%@#*, que não leva ninguém a lugar nenhum e só degride ainda mais nossa existência. Sou uma pessoa que sempre prefire olhar o belo, e chego a ser careta. Por isso, não gosto quando vou ao teatro para assistir cenas que, ainda que muito filosóficas, te incitam a uma reflexão cruel de seu lado podre. A arteterapia me fez considerar minha sombra e aprender a tratá-la com respeito, pois meu lado podre é igualmente meu!

Achava que era mais uma dessas que eu assistiria... Não foi!

Sim: havia bastante p*%@#*, cigarros acesos, garrafas vazias e fragmentos bastante filosóficos. Mas nada de reflexão cruel. Paradoxalmente e instigantemente todo aquele cenário um tanto quanto depreciativo guardava uma mensagem de paz & amor. E acreditem, no sentido menos clichê e mais profundo que isso possa ter!

Por isso, hoje dedico a sexta sentida a esta peça. Às boas surpresas da vida, e aos bons reencontros conosco mesmos...

quarta-feira, 22 de junho de 2011

A primeira vez a gente nunca esquece...

Em plena mudança de cidade, paro para lastimar-me! Muito fiz por aqui, certamente, mas muito perdi.
Dizem que "tem tempo pra tudo", e confesso que é isso que me conforta agora!

Esta noite particpei, pela primeira vez, do Festival de Cenas Curtas, do grupo Galpão Cine Horto: simplesmente fantástico! Um clima divertido, descontraído, mas ao mesmo tempo muito sério e de grande qualidade!

De album de figurinhas a cerveja e pipoca nos entre-atos das cenas, o festival surpreendeu-me em todos os sentidos!

O álbum de figurinhas ainda praticamente vazio.
Nele, você monta sua própria história com as
figurinhas distribuidas e tenta contá-la em 15 minutos!

O movimento entre-atos, em busca dos deliciosos comes e bebes!

Ainda tive uma visão privilegiada do evento, já que o grupo de Estudo e Pesquisa em Jornalismo Cultural, do qual faço parte, ficou responsável por parte da cobertura do festival. As matérias que nós produzimos estarão acessíveis no Blog do Cenas Curtas!

Aqui, um pouquinho dos bastidores para matarem a curiosidade...











Quem tiver a oportunidade, não perca!
Coloca o comodismo de lado, tira um trocado do bolso... e vai!!!

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Festival de Cenas Curtas

Boas Novas!

Começa nesta quarta o 12o. Festival de Cenas Curtas do Galpão Cine Horto.
Entre quarta e domingo serão apresentadas 16 cenas, sempre às 21h, exceto domingo, que como sempre exige um horário mais cedo, às 19h.
Além de assistir o trabalho dos mais potencias artistas de grandes palcos, este festival ainda propicia o entretenimento nos eventos "O dia seguinte" e no "Bar do Cenas Curtas", tudo isso na própria sede, no Horto. N"o dia seguinte"haverão debates com os participantes das cenas exibidas no dia anterior. Um debate aberto ao público, assim como o Bar, que funciona todos os dias após as cenas.

Pra ficar por dentro da programação e garantir seu ingresso (R$20 a inteira), acesse o site oficial. Com o ingresso do dia você confere quatro cenas de 15 minutos, cada.

A cobertura completa está garantida no Blog do Cenas Curtas. Não percam!

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Santo Antônio

Hoje é dia de Santo Antônio!
E como digna devota de Santo Antônio, sou contra qualquer brincadeirinha que judie do meu querido.

Se você quer arrumar um namorado, por favor, nada de tirar o menino Jesus do colo de Santo Antônio; nada de colocá-lo de cabeça pra baixo no congelador nem nada parecido.

Para arranjar um namorado basta arregaçar as mangas, cuidar do visual e da saúde mental (esquecer ciúmes e possessividade, elevar a auto-estima e a segurança), estar sempre de bem com a vida, sorrindo! Depois, um pouco de fé no Santo casamenteiro é batata!


Querido Amigo Santo Antônio,
Tu que és o protetor dos namorados,
olha para mim, para minha vida, para meus anseios.
Defende-me dos perigos,
Afasta de mim o fracasso, a desilusão, o desencanto.
Faze que eu seja realista, confiante, digna e alegre.
Permita que eu encontre uma pessoa que me ame e seja amável,
virtuosa, trabalhadora e responsável.
Para que juntos possamos caminhar para o futuro e a vida a dois, 
Com a vocação sagrada para formar uma família.
Que juntos busquemos 
A mútua compreensão,
A comunhão de vida e
O crescimento na fé!

Assim seja, querido amigo Santo Antônio!

E, depois que arranjar o amado, continue confiante e segura. Seja flexível mas mantenha seus princípios e, esteja sempre, com a auto-estima bem cuidada! Complete a dose com a oração:

Querido Amigo Santo Antônio,
Tu que és o protetor dos namorados,
olha para mim, para minha vida, para meus anseios.
Defende-me dos perigos,
Afasta de mim o fracasso, a desilusão, o desencanto.
Faze que eu seja realista, confiante, digna e alegre.
Que eu possa caminhar para o futuro e a vida a dois, 
Com a vocação sagrada para formar uma família.
Que meu namoro seja feliz, e meu amor, sem limites.
Que todos os namorados busquem
A mútua compreensão,
A comunhão de vida e
O crescimento na fé!

Assim seja, querido amigo Santo Antônio! 

Esta eu posso garantir que dá certo, pelo menos... comigo deu!

quarta-feira, 8 de junho de 2011

Dignas Palavras

Para provar que boa luta não se faz com armas,
mas com depoimentos bem respaldados pela realidade, expostos com respeito e dignidade:

sábado, 4 de junho de 2011

Mais Alto que a Lua

Hoje tive uma manhã super prazerosa!
Encontrei-me com duas queridas crianças e levei-nas ao teatro "Mais Alto que a Lua" do grupo Galpão.

O espetáculo faz parte do circuito Teatro de Rua de iniciativa do próprio Galpão. Hoje aconteceu na deliciosa praça Duque de Caxias no Santa Tereza.



Além da diversão, foi um convite à reflexão e ao sonho!
Um texto belíssimo discute a contemporaneidade desenhada a traços tão verticais e pouco verdes que, tão longinquos, escondem até mesmo a lua...





O grupo foi cuidadoso passeando pela praça e, para evitar nosso cansaço de ficar em pé ao sol, o teatro caminhou dirigindo-nos ao palco improvisado, e quase escondido ao pé de um morro, com cadeiras e tapetes dispostos para o conforto da platéia!




Esplendoroso! Vale a pena curtir também!





Amanhã eles se apresentam às 16h na praça da Saúde, no Grajaú. No próximo sábado, dia 11, tem às 11h na Rua Genoveva de Souza (atrás do Galpão cine Horto) e no domingo, dia 12, às 16h na praça JK, no Sion!


Não percam!

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Sexta Sentida

Pra refletir e pra cantar!


Se você quer me seguir, Não é seguro
Você não quer me trancar, num quarto escuro
Às vezes parece até, Que a gente deu um nó
Hoje eu quero sair só

Você não vai me acertar, À queima-roupa
Vem cá, me deixa fugir, me beija a boca
Às vezes parece até que a gente deu um nó
Hoje eu quero sair só
Não demora eu tô de volta...

Vai ver se eu tô lá na esquina, devo estar... 
Já deu minha hora e eu não posso ficar...
A lua me chama, Eu tenho que ir pra rua...

Hoje eu quero sair só 

Você não vai me acertar, À queima-roupa
Vem cá, me deixa fugir, me beija a boca
Às vezes parece até que a gente deu um nó
Hoje eu quero sair só
Não demora eu tô de volta... 

Vai ver se eu tô lá na esquina, devo estar... 
A lua me chama, Eu tenho que ir pra rua... 

Vai ver se eu tô lá na esquina, devo estar... 
Já deu minha hora e eu não posso ficar... 
A lua me chama, Eu tenho que ir pra rua... 
A lua me chama, chama

Hoje eu quero sair só

A lua me chama, Eu tenho que ir pra rua... 
Hoje eu quero sair só


Sem Estilo

O que acontece com as pessoas e com seus estilos?
Pergunta dificil?
Na verdade a pergunta foi fácil fazer, a resposta é que complica.

Óbvio e ridículo isso? Pois é, o problema é exatamente esse... está tudo tão óbvio e ridículo!

Neste caso, nem vale a pena falar de moda, né? Esse assunto nem rende mais. O assunto é aqui é criatividade. É pensar diferente, fazer diferente.

Acreditem ou não mas despertei-me para esta reflexão enquanto ouvia a rádio. Outro dia, indo para aula, parei a sintonia na Jovem Pan porque achei algo estranho: depois que Evandro Santo fez sucesso com a criação da personagem Christian Pior, outros locutores, como a Ligia Mendes, passaram a incorporar o jeito de falar que antes lhe era peculiar. Como assim?

Agora, voltando pra casa, ouvia a Oi Fm e de novo a mesma coisa, mas em diferentes personagens. No Caso, era a Selma Boiron que discursava à maneira de Paulo Bonfá, um locutor que por hora foi extremamente inovador!

O que acontece? Não me venham com a desculpa de que a convivência nos faz incorporar os trejeitos da compania por que esta não serve. Ora, na rádio toda a diferença se faz na maneira como se fala!

Isto, claro e infelizmente, é apenas um exemplo de como as pessoas andam sem estilo!

Pior que isso, existem as pessoas que exageram nas tentativas de serem diferentes e acabam ficando ainda mais ridículas!

Enfim, prefiro parar por aqui ou serão páginas e páginas. Prefiro deixar para os que quiserem tentar fazer algo diferente, e não ridículo, pensarem sobre esse assunto...

Afinal de contas, ser autêntico também cansa!